Views
1 year ago

Abril de 2017

  • Text
  • Rover
  • Projeto
  • Velar
  • Equipe
  • Tecnologia
  • Forma
  • Bonanza
  • Anos
  • Viagem
  • Apenas
Apresentação do novo New Range Rover Velar | Entre em uma das casas mais exclusivas do planeta | A relação do homem com os cães | Um passeio épico pela Ilha de Skye | O lendário Beechcraft Bonanza sobe aos céus

SOBREVOAR WICHITA “A

SOBREVOAR WICHITA “A ÚNICA COISA QUE VERDADEIRAMENTE NOS DIZ QUE VAMOS DEPRESSA É A VELOCIDADE COM QUE CRUZAMOS OS CAMPOS INTERMINÁVEIS, 2000 PÉS ABAIXO” Tanto o Land Rover como o Bonanza têm imagens e aparências distintas, que permaneceram em grande parte inalteradas durante as suas longas vidas, apesar de terem ambos apresentado evoluções significativas ao longo das décadas. O projeto original, o Modelo 35, incluía um limitador do leme de direção, uma cauda em V muito característica que combinava o leme de direção, o estabilizador e o leme de profundidade numa unidade simples e de peso reduzido. As últimas edições do Bonanza afastaram-se deste limitador (por fim abandonado em 1982) a favor de uma cauda convencional. Outra alteração significativa surgiu no fim da década de 1960, quando a Beechcraft lançou o Modelo 36, uma versão ‘alongada’, que acrescentava dez polegadas adicionais à fuselagem, uma alteração simples que permitia passar para seis lugares, por comparação com os quatro do Modelo 35. Seguindo a mesma tendência de ‘alongamento’, mais de uma década antes, a Land Rover tinha aumentado o chassis do Série Um de 80 para 86 polegadas e desenvolveu uma versão de 107 polegadas, primeiro como picape e, dois anos mais tarde, como o primeiro modelo de quatro portas. Contudo, desde o primeiro dia, foi o conforto interior do Bonanza que o diferenciou da concorrência, e o modelo atual é equiparado a um Range Rover: couro com magníficos pespontos, um tapete elegante e acessórios e acabamentos impecáveis. Atualmente, os clientes são encorajados a assistir à montagem da sua aeronave e a participarem ativamente na escolha das especificações do interior, a partir de uma imensa gama de materiais e cores. Chegar ao Centro de Entregas Beechcraft para decolar a bordo do seu novo e reluzente Bonanza é, na verdade, uma experiência emocionante, inclusive quando se está seguindo os passos de prestigiados proprietários como Gordon Cooper, um dos astronautas pioneiros do Programa Mercury, que comprou um Bonanza no início da década de 1960. O desempenho confiável e a pilotagem simples também fizeram desse avião um favorito dos aventureiros de longa distância como Bill Odom, primeiro a pilotar uma aeronave leve sem escalas do Havaí até os EUA continentais em 1949, e Peter Mack que em 1951 fez a volta ao mundo a bordo do seu Bonanza, o ‘Friendship Flame’. Enquanto outros aviões aparecem e desaparecem, a procura do Bonanza nunca decresceu. Afinal, a receita desse sucesso é simples, mas duradoura: um avião confiável, confortável, que cumpre a sua função constantemente e sem ruídos e, como o Defender, a sua reputação sólida conquistou inúmeros e merecidos seguidores entusiastas. Embora 18 000 aviões possam não parecer muitos, é um número realmente elevado para no setor aeroespacial, comparável com os dois milhões de Defenders que saíram da linha de produção de Solihull. Apesar de o meu voo de duas horas a bordo do avião de demonstração de fábrica não pretender bater quaisquer recordes, ainda assim fez disparar o ritmo cardíaco quando o piloto interno de demonstrações Will Klein acelerou e percorreu a pista de decolagem de 2400 m. Quando a velocidade atingiu os 75 nós e as rodas saíram do asfalto, recolhemos imediatamente o trem de aterragem e rumamos para o leste. Sem a magia da navegação por GPS seria muito fácil nos perdermos. O Kansas é plano e estende-se quase até ao infinito, com uma paisagem só interrompida por parques eólicos eventuais. Klein indica uma antiga estalagem, outrora um ponto de trânsito movimentado antes das rodovias interestaduais começarem a cruzar as grandes extensões de nada por baixo de nós. É ainda um destino popular para pilotos locais que procuram uma desculpa para voar. Suave, silencioso e estável, o potente motor de 9,0 litros do Bonanza se mostra descontraído enquanto voamos a 165 nós. A única coisa que verdadeiramente nos diz que vamos depressa é a velocidade com que cruzamos os campos intermináveis, 2000 pés abaixo. O sol desapareceu e apreciamos as luzes cintilantes do centro da cidade de Wichita no regresso a Beech Field. Voar à noite numa aeronave de pequeno porte é uma experiência mágica, quase mística. As nossas duas horas passam rápido demais. Num piscar de olhos, Klein acende as luzes da pista apertando algumas vezes o botão de transmissão do rádio. Flapes estendidos, rodas abaixadas e o Bonanza desce a uma velocidade constante de 75 nós para fazer uma aterrisagem tranquilizadoramente suave. É fácil perceber porque o Beechcraft Bonanza perdura. Tal como o Defender, o projeto revolucionário e a construção robusta do Bonanza proporcionam uma tradição e um espírito autênticos – e uma vida muito mais longa do que os seus criadores poderiam sequer imaginar. 64

O autor Colin Goodwin (à direita) e o piloto de demonstrações da Beechcraft Will Klein (à esquerda) levam o Bonanza para onde deve estar: a cruzar os céus intermináveis de Wichita 65

 

Land Rover

Revista ONELIFE

 

A revista Onelife da Land Rover traz histórias do mundo todo que celebram a força interior e a motivação para ir além.

Os veículos da Land Rover vão above and beyond, para lhe ajudar a aproveitar ao máximo o seu mundo. A última edição da Onelife oferece essa filosofia para sua sala de estar com narrativa evocativa e fotografia impressionante. Experimente uma rica variedade de perspectivas de todo o mundo: de eco-inovadores na China aos testes em estradas na Grécia e arquitetura modernista na Alemanha.

A biblioteca

Maio de 2019
Outubro de 2018
Abril de 2018
Novembro de 2017
Abril de 2017
Outubro de 2016

Na cidade somos todos pedestres.

Jaguar Land Rover Limited: Registered office: Abbey Road, Whitley, Coventry CV3 4LF. Registered in England No: 1672070

Os números referentes ao consumo de combustível são resultado de testes oficiais do fabricante em acordo com as leis da UE, possuindo função puramente comparativa. O consumo efetivo de um veículo pode diferir dos alcançados em tais testes.