Views
1 year ago

Outubro de 2016

  • Text
  • Rover
  • Jaguar
  • Anos
  • Carro
  • Equipe
  • Apenas
  • Forma
  • Sempre
  • Tudo
  • Ainda
Unboxing do Discovery totalmente novo | Um retrato de Ben Ainslie, a lenda da vela | Veja o futuro da mobilidade e do transporte | Será que Copenhague é o lugar mais legal do mundo?

OBJETO N.° 4 CARRO DE

OBJETO N.° 4 CARRO DE LABORATÓRIO Em 2011, a Land Rover encomendou ao artista Benedict Radcliffe a criação de uma escultura surpreendente de arame no tamanho real do Range Rover Evoque. A obra foi apresentada no Salão do Automóvel em Paris e teve uma ótima recepção pela crítica. Já numa oficina na sede da Land Rover, os técnicos constroem modelos em tamanho real semelhantes em segredo há muitos anos. Os temas são futuros Land Rovers, tão novos, que a tinta praticamente ainda não secou nos esboços dos projetistas. O objetivo destas esculturas é permitir aos engenheiros começar a montar e testar os sistemas do novo automóvel muito antes de os primeiros protótipos serem feitos. Ao contrário do Range Rover Evoque estranhamente fiel de Radcliffe, não é possível adivinhar grande coisa sobre a forma final do Novo Discovery através deste modelo, conhecido como carro de laboratório. De qualquer forma, o público externo raramente os vê. O que é importante são as dimensões internas e a capacidade de montar e conectar todos os componentes exigidos numa funcionalidade tão complexa como o sistema inovador de rebatimento inteligente de bancos do Novo Discovery. “Os carros de laboratório são feitos basicamente com uma espécie de jogo de construção Meccano gigante”, como o engenheiro Dave Hinds explica. “As pessoas que os constroem são, na verdade, incrivelmente dotadas. Eles são utilizados, principalmente, para testar os sistemas elétricos do carro, mas também para o novo sistema de rebatimento inteligente de bancos que inclui sete lugares. Testamos os sistemas virtualmente mesmo antes de instalarmos os sistemas no carro de laboratório. Mas nada substitui um teste físico completo do princípio ao fim”. “E como estamos realizando testes numa fase tão precoce do processo de desenvolvimento, a nossa experiência com os carros de laboratório nos permite acrescentar ou alterar as funcionalidades. No mundo ideal, pensaríamos em tudo, antes de começarmos a conceber um sistema. Porém, quando começamos a utilizar estes sistemas no carro de laboratório, surgem mais ideias ou novos cenários de utilização que não pensamos no início. Isso quer dizer que ao término dos testes, teremos pensado naquele tipo de detalhe que talvez só um em milhares de clientes se lembraria. E o carro terá sido concebido e testado para atender até este pequeno detalhe”. 46

O NOVO DISCOVERY OBJETO N.° 5 CÃO EM CAD Desde o seu lançamento em 1989, o Discovery conquistou uma reputação de versatilidade extraordinária, o que lhe permite ser simultaneamente um veículo de expedição e um automóvel familiar. Mas isso não aconteceu por acaso. Começou com um debate detalhado dos engenheiros da Land Rover sobre todos os usos que poderiam ser atribuídos ao veículo e todos os objetos que poderiam transportar. O que implica até voltar para casa para medir o tamanho do cão. “Lembro-me nitidamente da reunião”, conta Justin Cole, o engenheiro sênior que atualmente chefia o departamento de acondicionamento da Land Rover. “Há anos, quando estávamos trabalhando numa versão anterior do Discovery, elaboramos uma lista de tudo o que os clientes pudessem querer colocar no veículo. Se alguém na reunião tivesse algum desses objetos – uma prancha de surfe ou uma bicicleta de montanha ou um equipamento de pesca – voltávamos para casa para medir tudo em detalhes suficientes para criarmos um modelo em CAD, que depois inseríamos em um veículo virtual para verificar se realmente cabia. E isso desde as primeiras fases da concepção”. Justin tinha um labrador de 30 kg chamado Sam. “Sabemos que é provável que os proprietários dos Discovery tenham cães enormes e, na época, o labrador era uma raça bem popular. Por isso, quando cheguei a casa, medi o Sam com uma fita métrica. Não foi difícil, pois ele já tinha uma idade em que gostava de se sentar sossegado. Usamos os dados para criar dois modelos virtuais dele, sentado e em pé, e desde então ele tem estado na traseira de qualquer Land Rover”. A equipe de Justin monitora cuidadosamente possíveis mudanças de hábitos. Quando o Sam virtual foi criado inicialmente, estavam em concepção os docks para os antigos celulares Nokia, ao passo que o novo Discovery pode alojar atualmente cinco mini iPads apenas no painel central. “Porém, um cão enorme é sempre um cão enorme”, diz Justin. Por isso, apesar de Sam já ter morrido há alguns anos, ele ainda é utilizado no processo de concepção. “As cinzas dele estão agora em um bonito vaso de flores na frente da nossa casa, que florescem todos os anos”. E continua vivo na traseira do novo Discovery, depois de verificar que ela é tão confortável para os cães quanto é para os humanos. 47

 

Land Rover

Revista ONELIFE

 

A revista Onelife da Land Rover traz histórias do mundo todo que celebram a força interior e a motivação para ir além.

A Land Rover sempre significou liberdade de ir a qualquer lugar e a capacidade de fazer qualquer coisa quando se chegar lá. A última edição da revista Onelife saúda este espírito, transportando você ao redor do mundo para celebrar as aventuras que vão do exótico à rotina do dia-a-dia – de uma cidade no Himalaia Indiano onde clássicos Land Rover Série 1 e 2 reinam soberanos, até o incrível County Donegal, na Irlanda, onde o velejador Monty Halls curte sua família à bordo de um Discovery. 

A biblioteca

Outubro de 2018
Abril de 2018
Novembro de 2017
Abril de 2017
Outubro de 2016

Na cidade somos todos pedestres.

Jaguar Land Rover Limited: Registered office: Abbey Road, Whitley, Coventry CV3 4LF. Registered in England No: 1672070

Os números referentes ao consumo de combustível são resultado de testes oficiais do fabricante em acordo com as leis da UE, possuindo função puramente comparativa. O consumo efetivo de um veículo pode diferir dos alcançados em tais testes.