Janeiro de 2020

  • Bisonte
  • Rover
Surfe na Islândia, que é possível com o novo Land Rover Defender | Fabricação de globos artesanais em Londres com Bellerby & Co | Uma galeria de fotos incríveis com drones | A autora Helen Russell explora o significado da felicidade | Um conto exclusivo de Jean Macneil

Conto exclusivo Fãs

Conto exclusivo Fãs de Cavalo por Jean McNeil Nascida na Nova Escócia, Canadá, McNeil é uma autora premiada de 13 livros, incluindo seis romances. Ela foi escritora em residência na Antártica pela British Antarctic Survey e é guia de 6DIDULDS«TXDOLƓFDGD6HX¼OWLPRURPDQFHFogo na Montanha, se passa na África do Sul. N ós chegamos no Cederberg no final de agosto, a cúspide da primavera. A terra era acarpetada com uma flor chamadaHaemanthus, ou lírio de sangue. Fomos atendidos por cinco mulheres e três cães. As mulheres - Helene, Maria, Annelise, Marine e Wilma - eram da mesma família, embora fosse difícil saber como. Eu disse, "Só você Leo, para encontrar uma fazenda de mulheres." A Helene era uma mulher robusta com uns 40 anos, afiada mas não indelicada. Quando ela viu que era eu que dirigia o trailer, ela disse, "Ah, graças a Deus, uma mulher!" Depois, quando perguntei onde os homens estavam, Helene disse que seu pai faleceu de ataque cardíaco - “ Braaidemais" - os filhos estavam em um internato e havia um ajudante, mas ele sempre ficava no mato. Ela apontou na direção de uma pista de areia. "Faz tempo que tivemos pessoas com cavalos na fazenda então os estábulos estão ruins. Mas pelo menos você terá sua privacidade. " Ela pensou que éramos um casal. A maioria das pessoas pensaram, no início, pelo menos, e o Leo não falou nada. "Só toma cuidado com os babuínos", disse ela. "Não deixe a porta aberta, nem por um segundo. Eles descobriram como abrir as janelas também, então nós colocamos fechaduras naquelas. Nós dirigimos pela pista. Pedras rústicas compunham as paredes íngremes de cada lado. Senti que estavam nos olhando – os olhos dos Khoisan, na minha imaginação. Vemos a silhueta do homem da floresta em todos os lugares: na embalagem dos rooibos orgânicos que a Helene produz, pintado ao lado de chalés de férias que ela aluga para alpinistas e famílias que querem um toque de rusticidade, nos folhetos turísticos que entregam em Clanwilliam - em todos os lugares exceto na terra que vão a pé, enfrentando leopardos e leões, para caçar. Chegamos aos estábulos e abrimos o trailer. Eeshani estava derramando suor. Leo disse, "O que um purosangue vai fazer neste calor?" "Ela vai para onde eu for. Se ficar muito quente, eu volto", eu disse. Eu levei a Eeshani ao estábulo, que cheirava a mosto e fezes de babuíno. Pedaços de rédias antigas, petrificadas pelo calor de Cederberg, balançavam nos pregos enferrujados. A Eeshani olhou os estábulos úmidos e voltou para trás como se ela tivesse visto um fantasma. Sentei num fardo fossilizado de feno. Eu fui tomada por um sentimento de irrealidade; nós realmente deixamos tudo para trás? As árvores de limão no jardim, os lírios de abacaxi, a parte traseira da iguana de Table Mountain cortando o céu. "Janine, não temvolta."Os olhos verdes de Leo cheios de sombra. "Você poderia ter ficado", disse ele. "O seu nome não estava naqueles empréstimos." "Parece que você quer que eu te deixe no seu exílio. Isso faria você se sentir menos culpado? Ele não tinha resposta. Siegfried me olhou com uma ansiedade inconfundível - os cavalos são tão bons como os humanos nisso, a preocupação nos olhos deles é clara. Não havia qualquer discussão entre nós. O Leo e eu sempre tivemos um sentimento instintivo para a realidade interna um do outro; foi essa simpatia natural, e nosso amor por cavalos, que nos uniu. Na verdade, os cavalos nos uniram - éramos um só, o cavalo dele, o meu, nós dois, um quarteto unido, vinculado por um pacto anormal. Nos acostumamos com a fazenda da Helene. Esquecemos das nossas vidas antigas tão rápido que me perguntei por que nunca tinha saído antes. Eu gostava do arrependimento cauterizado. Ouvia as pessoas falarem de uma pausa, mas nunca tinha tentado e agora penso porque demorei tanto. Na primavera, ameixas caiam da árvore da nossa casa e Marine fazia bolo de granadilla azeda e trazia para nós todos os dias. O negócio estava bom. Os visitantes eram da Cidade do Cabo ou de Joburg. Eles ficavam surpresos no começo que eu liderava os passeios. Eles raramente ILUSTRAÇÃO: DAVID DORAN 72

diziam algo até que viam meu rifle, que ficava em um saco de sela feito especialmente para isso. Às vezes eles faziam uma piada, O que, você vai me matar se eu não segurar minhas rédeas direito? Eu só sorria e dizia que era a lei, na África do Sul, ter uma arma em áreas selvagens. Em toda a primavera, evitamos os correios. Quando fomos, uma pilha de cartas alarmantes nos aguardava, carimbadas com "aviso final" e "Oficias de Justiça foram instruídos". Entre elas, outras cartas em papel grosso, endereçadas ao Leo. Ele nunca deu a nenhuma das mulheres que andou de cavalo com a gente seu e-mail pessoal, deixando essa parte do negócio comigo (uma citação direta: "E-mail é contra a minha religião"). Eu fico imaginando aquelas mulheres, sentadas nas mesas dos subúrbios do Sul da cidade em casas cercadas com portões eletrificados, passeando em seus carros para Woolworths em Century City ou em Claremont, sonhando com o Leo: o homem selvagem que desapareceu no norte árido. Ele leu as cartas e as queimou. Sentamos ao redor do fogo e assistimos as piruetas de cinzas acima das chamas, voando alto contra o céu noturno nas térmicas do fogo, em seguida, se encaixando entre as estrelas. Era fevereiro, o verão elevado, e o machado do ouro do sol nos acertando sem parar. A Helene chegou em seu caminhão uma tarde. O ângulo irregular que ela estacionou me disse tudo. "Houve uma reclamação", disse Helene, antes mesmo de chegar à nossa porta. "Sobre o que?" "A mãe com a família que você levou ontem. Ela disse que o Leo deu em cima dela. Tentei me lembrar da família: uma mulher, um homem, duas crianças adolescentes, usual. Eles eram europeus da Alemanha ou da Holanda. As crianças ficaram impressionadas com as histórias do Leo das girafas que andavam por essas planícies há 500 anos. Ela inclinou sobre a parte de baixo da porta holandesa. "Eu não tenho nenhuma reclamação para você. Pelo amor de Deus, você nem é namorada dele. "Ela olhou para baixo. "Eu sinto muito. Eu sei que não é da minha conta. Eu balancei a cabeça. "Ele não é mulherengo. Ele só fica alerta. Ele é responsável por todos, assim como eu. É por isso que ele olha para eles. As mulheres estão sempre interpretando o interesse dos homens." A Helene franziu a testa, talvez pelo "mal entendido". "Vocês são diferentes, fãs de cavalo." Encontrei o Leo com o Siegfried. "Por que você está fazendo isso? Pensei que você iria dar um tempo. "Eu estou dando um tempo." Ele não era uma pessoa sarcástica, mas sua voz disse o contrário. Ele evitou meus olhos. "Eu só preciso distrair os meus pensamentos." Eu me inclinei na rede de feno, as extremidades afiadas de feno cortado raspando minhas costas, e olhei para os olhos verdes dele. Entendi que depois de todo este tempo ele não sabia quem eu era. Ele ainda achava que eu era uma das mulheres que caíram em sua cama como se fossem descartáveis. "Não tem por que destruir nossas chances aqui." Um estranho movimento lateral apareceu nos olhos dele. Eu nunca tinha visto: fluido, astuto. "Eu não conseguiria viver sem você." "Eu não sou sua esposa." O chiado na palavra. O Leo também ouviu, como se uma cobra tivesse passado e ido embora. Helene nos deu um aviso. Ela gostava de nós, de nós dois, ela teve o cuidado de dizer. Ela não ia conseguir achar pessoas que cuidam de cavalos rápido. Em agradecimento, passamos dois dias limpando o estábulo inteirinho. O inverno chegou, uma estação agitada.Nós começávamos nossos passeios da manhã com casacos e luvas de ganso mas às dez da manhã nós já estávamos só de camiseta. Então agosto chegou com a primavera nas costas, trazendo um tapete de flores que ficava neste lugar amargo por seis semanas cada ano: Sneeuprotea, Blou Bergaster, Geel Perdekop, Geel Botterblom, Boegoe, Pienk Handjie. Parecia que a terra nos incentivava a ficar em sua extremidade crua, vermelha, no calor da estufa, pores do sol, no vento que canta pela grama áspera. Estávamos cavalgando até a represa, um passeio que fazíamos sempre. Um lago feito pelo homem tinha sido dragado para irrigar as fazendas que se estendiam em todas as direções. Nuvens baixas e pesadas de chuva que vinham do norte, desde a Namíbia. Nossos clientes eram comuns - uma família da Cidade do Cabo, o pai era professor de história. Eles provavelmente moravam em Rondebosch ou Newlands e participaram de concertos no Jardim Botânico de Kirstenbosch todos os verões. As crianças sabiam montar, tinham uma boa sela inglesa - alerta, imponente. O Leo ficou na sua posição na parte traseira. Enquanto a família olhava para abetardas com seus binóculos, a matriarca, uma mulher loira e magra, com uma beleza óbvia, ainda bem elegante, com rosto escondido em uma viseira rosa, veio para o meu lado. "É tão bom ver uma mulher na frente." Ela me deu um sorriso apertado e tímido. "Você tem que ser muito confiante." "Muito obrigada. Eu monto desde que era criança. Ela apontou para o Leo montado no Siegfried, ele estava olhando fixamente para o grupo, de costas para nós. "Ele é seu marido?" "Não, somos amigos - e sócios."Eu não sei por que eu falei isso, uma revelação desnecessária. "Deve ser perigoso, levar as pessoas para o deserto." 73

 

Land Rover

Revista LAND ROVER

 

As histórias das mostras da revista Land Rover do mundo todo que celebram a força interna e a inspiração para ir acima e além

A Land Rover não só tem os veículos superiores mais capacitados, mas também um estado de espírito onde um senso de curiosidade, de exploração e de admiração está presente em todas as aventuras da vida. Descubra isso na mais recente edição da Revista Land Rover, desde conhecer um grupo de sobreviventes da Era do Gelo na costa holandesa com o Land Rover Discovery, até a arquitetura sustentável mais inovadora em uma viagem californiana com o Range Rover Evoque.

Na cidade somos todos pedestres.

Jaguar Land Rover Limited: Registered office: Abbey Road, Whitley, Coventry CV3 4LF. Registered in England No: 1672070